Postado em 06 de Agosto de 2015 às 11h08

ADAC - 7º Encontro dos Motoristas Região Blumenau

Fotos (171)
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -
  • Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos -

Postado em 06 de Agosto de 2015 às 10h50

Viver e não ter vergonha de ser feliz...

Artigos (4)Motivacional (7)
    Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos O título nos remete, direto, a uma letra consagrada de Gonzaguinha. E quanta verdade essa canção, essa música, traduz! Todos os dias nos deparamos com pessoas que...

    O título nos remete, direto, a uma letra consagrada de Gonzaguinha. E quanta verdade essa canção, essa música, traduz! Todos os dias nos deparamos com pessoas que estão em busca, incessantemente, da felicidade, um fato que deveria ser meta prioritária de todos nós, seres humanos. Muitos querem, mas não conseguem. A verdade é que, para alcançarmos a felicidade, teremos que nos desvenciliarmos de diversos conceitos aprendidos ou alimentados ao longo de nossas vidas.

    Posturas que nos leva a valorizar ou considerar correto somente o que a sociedade também julga ser "correto". Se é certo ou errado, o importante é você priorizar VOCÊ em todo este processo. Coloque suas vontades, acima e a frente de tudo. O que realmente lhe dará ou trará felicidade não é o que bom ou ruim, certo ou errado, mas o que você fizer com vontade, prazer... Faça algo porque você quer fazer, porque você tem vontade em fazer, não porque alguém gostaria que fizesse.

    Pensando assim, e agindo assim, você já terá dado um enorme passo rumo a sua própria felicidade. Afinal, viva a sua própria vida e não tente fazer com que outra pessoa viva os seus desejos, os seus quereres... e óbvio, toda essa maneira de ver o mundo também se aplica à você: não viva a vida de ninguém, escolha a tua para aproveitar e ser feliz. Busque você mesmo! Encontre este "eu" que existe em cada um de nós.

    Faça isso e descobrirá, por exemplo, desejos e vontades que talvez nunca tivesse vivenciado antes. Seja um passeio no parque; uma caminhada na chuva; uma mudança de emprego; ou mesmo, uma mudança completa na vida... Deixe de ser os outros. Seja você mesmo! Nunca se anule para viver a vida de alguém. Também não aceite que alguém se anule para viver contigo, a sua vida. É importante, por exemplo, nos relacionamentos, que cada um seja ele mesmo, que tenha identidade própria, que tenha vida própria...

    Pensando assim e agindo assim, o resultado será, indiscutivelmente, a felicidade. Lembre-se: somos, individualmente, jóias raras... e, ao mesmo tempo, imperfeitas, em constante transformação, seja em virtude dos efeitos do tempo, do ambiente em que vivemos, ou mesmo de nossas atitudes. Valorize esta jóia. Valorize você! Se tudo isso não estava tão claro para você, mas que agora já reconhece os motivos de sua intranqüilidade e infelicidade, acredito que passará a olhar o mundo de maneira diferente. A olhar para você de maneira diferente. A iniciar uma nova vida também diferente: uma nova vida com FELICIDADE. Afinal, temos a obrigação de sermos felizes!

    Márcio Magalhães


    Postado em 06 de Agosto de 2015 às 10h49

    Eu pergunto e você responde: Como vais? Tudo bem!!!

    Artigos (4)Motivacional (7)

    Estranho, mas diariamente repetimos essa pergunta para várias e várias pessoas, senão com todas as que conversamos durante o dia.

    Estranho porque nem sempre recebemos ou damos a resposta correta a esta pergunta.

    Dia destes, eu estava aguardando na recepção de um condomínio empresarial para ser atendido pelo diretor de uma multinacional, quando entra um Sr. e como de hábito ele pergunta para o recepcionista: Como vais? O recepcionista responde: Tudo bem e com você? Aquele homem respondeu prontamente, tudo bem. Assim que o Sr. retirou-se, o recepcionista fez o seguinte comentário: Vê se pode, esse aí, perdeu a família, perdeu emprego, vive de favor e diz que está tudo bem.

    Aquilo fez-me fazer uma analise sobre o Como vais? É certo responder tudo bem se não está tudo bem? Parece simples, bobo, mas tem sentido.

    Acredito que quanto mais afirmamos com otimismo, positivismo, independente do momento ou situação a qual estamos passando, devemos encarar os fatos de frente, não aceitando as mazelas, mas sim aprendendo e tirando proveito delas, com o poder da mente amenizar as dores, sofrimento e desilusões.

    Costumo dizer que somos frutos do que plantamos e semeamos. Se o que plantamos são palavras de pessimismo, negativismo, obviamente que a colheita não será diferente.

    Estamos vivendo num momento onde a humanidade valoriza, enaltece e da ênfase mais as coisas e notícias ruins do que as boas. Falar de alguém na maioria das vezes de forma pejorativa, destrutiva é mais fácil do que procurar algo de positivo nos outros, parece que a maioria não é suficiente pra nós, passando a impressão de que vivemos num mundo rodeado de pessoas ruins e más. Mas por que isso está ocorrendo? Onde está o Amor pelo próximo? Acabou, será que um dia existiu ou está longe? Já ouvi muitas pessoas dizerem que a mídia é a culpada, pois traz a tona notícias que desmotivam as pessoas, mostrando o lado verdadeiro da humanidade. Também não acredito nesta teoria, que esta seja a resposta correta, a mídia tem sim um papel fundamental na construção de uma sociedade melhor, mas o seu papel é disponibilizar e sensibilizar as pessoas do que fazer e do que não fazer, permitindo assim um livre arbítrio, porém as pessoas valorizam mais as notícias negativas, pessimistas.

    Quer ver como isso é verdade? Quando as pessoas lêem um jornal à maioria já compra em virtude de uma manchete de algo violente, sanguinário, pasmem, mas as paginas de um jornal mais lidas são as páginas policiais (Sangue, desgraça). No tele jornal prestam mais atenção se for assuntos que falem sobre morte, assassinato, tragédia de forma geral. Você faz parte deste time? Se sim, você está sendo ou já está contaminado com a síndrome do pessimismo, negativismo sem se dar conta, fazendo parte da grande maioria. Essa corrente cresce em proporções muito maiores do que o inverso, pois, é cada vez mais comum conversarmos com pessoas que estavam de bem com a vida, que foram referência de felicidade e de repente, andarem cabisbaixas, desmotivadas, tranparecendo que suas vidas não tem mais sentido. Por que? Foram contaminadas com a síndrome do pessimismo, do negativismo e para muitos, tal síndrome é um bom alicerce para justificar seus fracassos, insucessos.

    Pois bem, quero fazer uma convocação a todos para que desmistifiquem essa corrente de negativismo, pessimismo, para revertermos esta situação e colocarmos o trem no trilho correto, qual seja: o do positivismo, otimismo. Sempre que alguém te perguntar como vais? Responda: tudo bem, porém diferente do que você tem feito. Pense no que estas falando, por mais que as coisas não estejam como você planejou. Centralize, canalise sua força interior no otimismo, positivismo, e responda: TUDO BEM e verás que seu dia, sua semana, sua vida será muito melhor para você e quem estiver com você.

    Então, Como vais?

    Márcio Magalhães


    Postado em 06 de Agosto de 2015 às 10h49

    Palestras Treinamentos um custo ou investimentos

    Artigos (4)Motivacional (7)
      Márcio Magalhães - Palestras e Treinamentos Sou fascinado por palestrar, capacitar, treinar, ajudar as pessoas. Com 19 anos de idade aprendi esta arte e desde então, tornei-me um eterno aprendiz. Hoje, há mais de 20 anos atuo com...

      Sou fascinado por palestrar, capacitar, treinar, ajudar as pessoas. Com 19 anos de idade aprendi esta arte e desde então, tornei-me um eterno aprendiz. Hoje, há mais de 20 anos atuo com isso. Porém em pleno século XXI, uma pergunta não quer calar. As empresas devem investir em capacitação, qualificação de seus funcionários, colaboradores?

      A resposta é Sim, contudo, o que presenciamos nos dias atuais são empresas que contratam consultores, palestrantes, empresas que administram treinamentos, mas sem alcançarem efetivamente o resultado que poderiam obter. Explico melhor:

      Visitando uma empresa, um Gestor fez-me a seguinte pergunta: Qual o maior problema, a maior dificuldade em ministrar um treinamento., em realizar uma palestra?

      Respondi que são 3 fatores:

      1º Contratar um produto que não se encaixe com a metodologia, com a conduta, com a crença de trabalho compatível com a da sua empresa, ou seja, incompatibilidade cultural. Muito comum após a palestra, capacitação, as empresas sentirem frustradas, pois nada fecha com a linguagem, metodologia ou até mesmo princípios da empresa.

      2º Os lideres, os gestores das empresas igualmente devem ser capacitados, e ou conhecerem o programa, o conteúdo e dentro do possível participarem dessa palestra, capacitação. O que acontece na maioria das vezes é que após o treinamento as novidades permanecem por no máximo 2 semanas e nas palestras uma semana. Passado este período TUDO volta ao que era antes. Em muitos casos, a impressão que se tem é que a equipe não foi treinada. Evidente essa impressão, pois muitos gestores, empresários, empreendedores, acreditam que só seus funcionários precisam ser capacitados, e esse é o GRANDE EQUÍVOCO. Óbvio que se o gestor não participa e nem conhece o que será ou foi ministrado seja num treinamento ou em uma palestra, como irá cobrar da equipe as necessárias mudanças. Sim isso mesmo, capacidade de mudança, porque ambos geram necessariamente a oportunidade da MUDANÇA, de atitude, postura e comportamento. Qual gestor, qual empresário cobra um relatório de seu colaboradores sobre o que foi , transmitido, ministrado, instruído? Qual gestor, qual empresário senta com o colaborador (funcionário) e propõe uma reunião para analisar o que foi ministrado no treinamento/palestra e ver o que é possível ser aplicado na empresa? Faço a seguinte comparação: É a mesma coisa que enviar o filho para escola e simplesmente deixar que ele por si só faça seus deveres, tarefas, sem ao menos saber o que foi ensinado e se de fato ele assimilou o conteúdo. Em muitos casos, as pessoas em sua vida pessoal e também profissional, querem transferir suas responsabilidades, ou seja, se a equipe não consegue transformar o que foi aprendido em resultados, desmerecem todo o trabalho do profissional, onde a máxima dita pelos gestores/ empresários é: investi ($$) em treinamentos e /ou palestras e não obtive resultado algum. Até parece que com isso vai justificar seu CUSTO.

      Em determinado treinamento por mim ministrado em uma entidade, um participante que é funcionário de uma empresa fez o seguinte comentário: Muito bom seu treinamento, estou gostando, mas não sei o que estou fazendo aqui. Surpreso perguntei o por que de tal comentário e eis que tenho a resposta: Nada do que estas ensinando aqui será colocado em prática na empresa, o proprietário é cabeça dura, ele deveria estar presente e ouvir o que você falou aqui. Questionei-o e ao mesmo tempo sugeri que o funcionário transmitisse ao empregador o que estava sendo trabalhado no referido treinamento, mas a resposta foi ainda mais negativa: o patrão diz que nunca tem tempo pra nada e pede para que ninguém o incomode, posso perder meu emprego... Infelizmente esse não é só um exemplo, mas é o pensamento de muitos gestores, empresários e funcionários de empresas que não entendem por que seus empreendimentos entram na curva de declínio.

      3 º Para a empresa receber uma capacitação, uma palestra, é importante que o instrutor conheça um pouco a empresa, seus aspectos culturais, sua atuação, negócio de forma geral. Somente dessa forma poderá adequar a linguagem da empresa associada a um bom acompanhamento pós treinamento feito pelos lideres, gestores. Seguindo essa norma o INVESTIMENTO terá seu resultado POSITIVO.

      É muito comum empresas manterem contato comigo e solicitarem orçamento. Não consigo enviar uma proposta de trabalho sem conhecer as necessidades da empresa, entender se minha forma de pensar está em linha com os aspectos culturais desta empresa. Não me preocupo em fechar contratos, mas sim, em gerar resultados.

      Estamos falando de Educação continuada: treinar, acompanhar e gerar resultados, e que estes sejam sempre positivos.

      Márcio Magalhães